Resposta Rápida: o que fazer para começar ou se reposicionar na fotografia?

man in black hoodie standing on brown grass field during daytime

Ontem ao final de uma apresentação online da Escola de Negócios FHOX uma das participantes disse: “o que as pessoas comuns que não tem condições financeiras e acesso a tecnologia podem fazer?”. Ela perguntou se deveria tentar abraçar tudo ou focar em algo específico. A pergunta dela é recorrente mesmo antes da pandemia. Após 12 meses desse quadro se tornaram ainda mais frequentes questionamentos sobre: o que vai acontecer? o que posso fazer para me manter na fotografia? Coisas desse tipo são tão importantes. A primeira coisa para pensarmos é que estamos na era da incerteza e não é só na fotografia. A economia é feita de pessoas e o desafio sanitário se impõe diante disso. Se puder e quiser mergulhar no assunto da imprevisibilidade sugiro que assista a isso: A ERA DA INCERTEZA NA FOTOGRAFIA.

man wearing black jacket looking at black point-and-shoot camera surrounded by green trees during daytime

Voltando à indagação da participante de ontem. Ela disse “para quem não tem acesso tecnológico”. Uma dúvida que ela talvez não tenha se dado conta que era feita dentro de uma plataforma como o Zoom. Ao vivo e em uma conversa franca entre todos nós. O exemplo do que é humano prevalece mesmo nesse ambiente massivamente online. Deve ser por isso que o Clubhouse está bombando inclusive, pois nada mais humano do que nossas vozes. Enfim, abraçar a tecnologia já está ocorrendo em diversas frentes e isso só vai se intensificar. Milhões de brasileiros ainda não estão na internet, mas a tendência é que entrem e usem. Da mesma forma que outros começaram a comprar pela primeira vez no online e consumirem um pouco de tudo por aqui. Então a primeira questão está respondida é bem básica: quem não tiver um olhar “primeiro para o online vai se complicar”. A segunda questão ligada a isso é como estar presente: consistência e olhar para o seu público são óbvias, mas o fator autenticidade parece fazer mais sentido. O que isso tem a ver com alternativas na fotografia? tem relação total, pois sem presença digital nem tem como começar. Aliás, isso vale para lojas de foto, estúdios, encadernadoras e fotógrafos.

person holding smartphone

O terceiro ponto é o que ela perguntou “o que fazer para começar para quem não tem condições financeiras?”. Curiosamente as redes sociais permitem atingir pessoas de forma orgânica e sem gastar. Claro, o resultado de aparecer assim é muito menor e entra a forma de fazer isso. Não acredito em fórmulas prontas e receitas para começar ou se reposicionar. Eu preciso dar passos para trás primeiro.

Quem sou eu na fotografia? Por que eu faço o que eu faço?

Quem eu quero servir?

Onde elas estão?

Como posso encantar e proporcionar uma experiência?

O que vou entregar depois?

Como fazer uma pessoa retornar?

Como conversar com essas pessoas onde elas estão?

Como posso estimular que elas falem de mim?

Como posso me orgulhar disso que vou fazer?

Creio que só nesses pontos já entramos em situações importantes de entendimento do que pode ser feito. Não são respostas que eu vou te dar sobre isso,