Jovem de Piracicaba já clicou 28 países com seu celular e sua GoPro

Nem só de câmera fotográfica de última geração viverá o homem, mas de toda criatividade, inspiração e entusiasmo que tiver pela fotografia e pelo mundo. Prova disso são as lindas fotos, dos mais variados países e cidades, e também as boas histórias que Renato Domingues, de 33 anos, carrega na bagagem e compartilha com os leitores de Fhox.

Renato Domingues

Renato Domingues na cidade de Dresden, na Alemanha. Foto: Arquivo Pessoal.


Paranaense de nascimento e morador da cidade de Piracicaba há 20 anos, pode-se dizer sem eufemismo que o lugar favorito de Domingues é o mundo. Ele é um andarilho apaixonado e compulsivo. E vale destacar, ainda, que não serve qualquer parte do mundo, não.

“Do Oiapoque ao Chuí”, do Uruguai à Hungria, dos Estados Unidos ao Vaticano, o analista operacional de uma empresa montadora de tratores, formado em Administração de Empresas, coleciona nada menos do que 28 carimbos de viagens internacionais em seu passaporte.

“Até o momento visitei 28 países, porém alguns deles já estive mais de uma vez. Eu já tive o prazer de conhecer o Uruguai, os Estados Unidos, a Argentina, o Chile, a Turquia, a Ucrânia, a Hungria, a Bolívia, o Peru, a Colômbia, o Equador, a Alemanha, a Rússia, a França, a Espanha, a Itália, o Egito, a Áustria, a Bélgica, a Holanda, a Inglaterra, o Paraguai, a Dinamarca, a Suécia, a Noruega, a Islândia, a República Checa e o Vaticano”, enumera.

Foto: Arquivo Pessoal.

Vaticano. Foto: Arquivo Pessoal.


De posse de um celular Samsung Galaxy S6,  uma GoPro Hero4 Black e muita criatividade, Domingues registrou belíssimas fotos nos quatro cantos do mundo. E por ser avesso às redes sociais (ele não tem Facebook nem Instagram), não seria nenhuma hipérbole dizer que as imagens da galeria abaixo são praticamente inéditas e exclusivas aos leitores de Fhox (à exceção de seus amigos e familiares).

Desde 2011, ele começou sua viagem pelo mundo e nunca mais parou. Até o momento foram 28 destinos transitados pela América do Sul, do Norte, Europa e África. Fazendo uma conta simples de divisão, daria uma média de três viagens por ano. Incrível, não?

“Tudo começou em 2011 quando eu e um amigo da igreja fomos para Montevidéu, no Uruguai. Foi nossa primeira viagem para fora do Brasil. Fomos sem saber falar espanhol, somente com a cara e a coragem. Eu tinha acabado de sair da faculdade e estava a todo vapor para saber como seria minha vida dali para frente”, relembra.

Ele conta que suas paixões incluem viajar pelo mundo, fotografar os lugares por onde passa, colecionar histórias, fazer trilhas e cozinhar. Além disso, também gosta de estar rodeado de amigos.

“O mais legal é também ganhar e manter novos amigos, já que eles são pessoas que fizeram parte das viagens e histórias que vivi. Alguns deles já vieram ao Brasil e foi muito legal poder mostrar meu país e minha cidade a eles”, lembra.

Confira abaixo algumas de suas fotos pelo mundo:

O analista operacional também explica que um dos fatores de escolha do lugar que pretende conhecer está relacionado à beleza e características do país ou cidade.

“História em geral me fascina e isso pode estar inserido em algum museu, igreja, prato típico, monumento, castelo, praia, ruínas como as de Machu Picchu ou até uma catedral como a do Kremlin na Rússia, que tem uma lenda muito triste.