Gabriel Bertoncel: uma visão sobre as câmeras e suas mais variadas vertentes

O renomado fotógrafo abordou de forma completa o assunto em um texto exclusivo para a FHOX

Por Gabriel Bertoncel

Toda câmera em sua essência é uma captura de luz do momento. Hoje vivemos totalmente envoltos às câmeras, elas estão em nossos bolsos, veículos,  nas ruas, dentro das casas, das empresas e até mesmo no céu com drones e helicópteros.

Este fato deixa claro o quanto a tecnologia vem avançando na qualidade de imagens e isso traz evoluções constantes para toda uma linha de produção de mercados amadores e profissionais. Eu, fotógrafo profissional com mais de 15 anos de atuação, acabo tirando poucas fotos do meu cotidiano fora do trabalho, gosto muito de observar o momento através de meus olhos ao invés de uma câmera, mesmo com as tecnologias mais inovadoras empregadas nos celulares, sou um fotógrafo que gosta de ter o controle completo da imagem. Acabo por diversas vezes me frustrando por faltar um brilho no olho, um preenchimento mais controlado ou mesmo uma passagem mais contrastada que grande parte do tempo o HDR dos celulares no modo automático acabam suavizando. O celular tem ótimo uso em situações dinâmicas que queremos uma câmera na palma da mão, mas normalmente essas situações não permitem esse controle desejado.

Na minha vida profissional a câmera é parte grande do meu cotidiano, é uma extensão do corpo e parte fundamental do trabalho, tal qual luz e equipe. Tento me manter atualizado em inovações, principalmente dentre as câmeras que atendem minha área de atuação para que a qualidade dos arquivos atendam às expectativas de meus clientes.

Gabriel Bertoncel

Dentro dessas inovações as câmeras mirrorless são as que mais tem apresentado inovações, hoje já são uma realidade de mercado em diversas áreas de atuação com opções bem interessantes, desde as linhas básicas para atender o público amador às câmeras de altíssima resolução com sensores de médio formato. Muito focadas em um mercado multimídia, a grande maioria apresenta uma ótima soma de pontos positivos. Boa resolução, ótima gama de ISO, pontos focais em todo o quadro, 4k, 120 fps, estabilizadores, Bluetooth, Wi-Fi além de inúmeras outras funções. Tudo em uma só câmera,  consegue atender o profissional de foto, vídeo e aquele que tem uma demanda de entrega dinâmica, tendo muita facilidade para extrair o arquivo da câmera e já enviar a qualquer pessoa com um celular por perto. Acredito que em breve as câmeras mirrorless serão as mais atuantes no mercado e as inovações que têm inserido no mercado vem para facilitar a rotina do profissional, e consequentemente para ficar.

Gabriel Bertoncel

Apesar de alguns smartphones apresentarem uma gigantesca quantidade de megapixels, o tamanho físico minúsculo do sensor ainda não permite uma entrega com qualidade e bons níveis de detalhes para um trabalho de mídia impressa. Entretanto, independente disso, grande parte das inovações surgem primeiro nos smartphones para depois serem inseridas em câmeras amadoras e profissionais. A grande concorrência entre marcas e a extensa quantidade de consumidores espalhados pelo mundo gera uma corrida por inovações muito saudável a todos.

Hoje temos mirrorless que possuem opções de filtros, modos automáticos com desfoque de fundo, fácil conectividade… inovações essas que vemos há tempos em celulares. Por mais que as tecnologias não sejam exatamente as mesmas, os smartphones serviram como base de ideias para essas inovações em outras câmeras.

Quanto à transformação multimídia do conteúdo, vejo mais como uma oportunidade do que desafio, mas é preciso entender se a área de atuação de cada profissional tem mercado para esta demanda, e o quão válido é assumir essa responsabilidade perante cada cliente. Fiz cursos de captura e edição de vídeo e até tenho uma base de conhecimento interessante, porém na publicidade, beauty e moda, minhas áreas de atuação, a exigência pela alta qualidade de entrega é a prioridade. Neste caso acredito que focar em uma determinada coisa, obter um grande resultado de entrega e fidelizar o cliente é mais vantajoso do que querer concorrer com as maiores produtoras de vídeo do país, aumentar meu rendimento em um determinado trabalho e correr o risco de desviar a atenção  e baixar a qualidade do meu foco principal, que é a foto acaba não compensando a longo prazo.