Fotógrafa usa a arte para dialogar sobre a dor da perda e a incerteza pós covid-19

Todos os dias são como uma batalha, uma grande luta contra as adversidades. Agora, mais do que ‘matar um leão por dia’, estamos cercados pelo inimigo invisível da covid-19. E em meio a esta pandemia que mais lembra um campo de batalha, muitos trabalhadores de serviços essenciais como profissionais da saúde e de abastecimento e logística, saem de suas casas e se expõem a esta ameaça para que a sociedade consiga minimamente manter o seu ritmo de vida e se proteger.

A fotógrafa brasileira radicada na Alemanha Roberta Montagnini, vencedora de prêmios internacionais e referência em fine art, usou de sua arte para dialogar sobre a dor. A imagem forte que está sendo compartilhada nas redes sociais, mostra o sentimento da artista diante dos dias difíceis que vivemos: “essa imagem foi criada para lembrar da dor das jovens mulheres que perdem seus maridos durante a guerra, mas pode muito bem refletir a situação que vivemos hoje, onde famílias esperam por seus entes queridos que estão combatendo o novo coronavírus, cuidando das pessoas e dos serviços essenciais, correndo riscos com a própria vida.”

Experiência vivida

Roberta escolheu a alegoria de um militar para dialogar sobre a dor da perda baseada na sua própria experiência: “Eu sou casada com um militar e vejo muitas histórias tristes de esposas que perdem seus maridos, muitas vezes grávidas ou com filhos. Queria retratar a dor e o desespero de quando se perde alguém especial. Cada um dialoga sobre a dor a partir de sua própria ótica e a arte serve para tocar na alma e fazer-nos refletir sobre a vida.”

A taxa de letalidade entre profissionais de saúde por covid-19 no Brasil é uma das mais altas em todo o mundo, ultrapassando inclusivamente os Estados Unidos, o país com mais mortes, e Itália, o segundo com mais óbitos na Europa. A falta de material de proteção e medo de represálias, caso saiam da linha da frente, já levou à morte de centenas de profissionais de saúde, diz o Conselho Federal de Enfermagem.


Ver essa foto no Instagram

Personal Project. To all the military families… I hear you. There aren’t right words to be said. I just send you all my love.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ .⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ #kaiserslauternphotographer #fineartphotography #fineartphoto #fineartphotographer #fashionphotographer #ramsteinphotographer #portraits_ig #portraits_ig #boudoirphotography #boudoirphotographer #boudoirinspiration #boudoirart #fineartphg #vanityfair #vogueitalia #voguemagazine #dreamphotoshoot #rmontagnini #robertamontagnini #rmontagniniphoto #portraits_universe #portrait_mf #portraits_ig #bestportraits #dreamdestination #bestphotographer #celebrityphotoshoot #seniorphotoshoot #maternityportraits

Uma publicação compartilhada por Roberta Montagnini (@rmontagnini) em 9 de Mai, 2020 às 10:03 PDT


Incertezas para o futuro em debate

A artista também aponta que todos nós estamos incertos quanto ao futuro pós pandemia, assim como as mulheres que perdem os maridos para a guerra: “Essa mulher que representei nesta arte está grávida, o que pode também significar a esperança de uma nova geração e de um futuro melhor, mas também um futuro incerto de uma criança que jamais conhecerá o pai. E isto pode ser reinterpretado baseado nas nossas incertezas para o futuro do mundo pós pandemia.”