Exposição Terra Colidida propõe reflexões sobre o trabalho com a terra através de olhar biográfico

Mostra reúne fotografias e filme-ensaio do artista André Arçari na Mosaico Fotogaleria a partir de 08 de dezembro

Um olhar autobiográfico, reflexivo e fotográfico sobre o trabalho advindo da terra. Esse é um dos caminhos propostos pela exposição Terra Colidida, do artista André Arçari, que abre para o público no dia 08 de dezembro, quarta-feira, a partir das 17 horas, na Mosaico Fotogaleria, localizada na Mata da Praia. A mostra é o último vértice do projeto Trilogia da Terra, que teve início em 2015, com a exposição Terra Dura e, na sequência, Trabalhar Cansa, de 2017.

Conceituado pelo artista como “trabalhos de terra, tendo como ponto de partida o método de pesquisa de trabalho de campo”, o conjunto de obras exposto, em Terra Colidida, reúne imagens em vídeo e fotografias, a partir do retorno do artista à Jurama, distrito de Vila Valério, no Espírito Santo – local de trabalho de seu pai agricultor e onde o artista passou parte da infância. “A última grande seca que assolou o estado, em 2016, ocasionou alterações radicais na paisagem, além de desencadear consequências para as famílias que vivem da terra”.

A mostra, composta por 10 trabalhos fotográficos e 1 filme-ensaio, propõe expandir as relações entre arte e cultura, através de um olhar subjetivo e autobiográfico do artista, cujas histórias de trabalho, café e cansaço permeiam sua história familiar. De modo equivalente aos esforços empreendidos pelos trabalhadores do campo, em especial aqueles do setor cafeeiro que moram no interior, Arçari propõe com sua produção tensionar as noções de representação sobre o entendimento romantizado que se tem no imaginário coletivo do trabalho e da vida no campo.

A nova exposição, assim como toda a Trilogia da Terra, trata de uma investigação com ênfase no pensamento da terra como base primeira do mundo. “Este projeto coloca meu corpo de obras pelo que chamo de trabalho de campo, ponto que se entrelaça com meu conceito de trabalhos de terra, formas de visualidade que, tendo o café como matéria essencial, exibem a passagem do tempo pela natureza das coisas e, igualmente, pelas coisas da natureza”, explica o artista.

Para Natália Quinderé, doutoranda em História e Crítica de Arte (PPGAV-EBA/UFRJ), e curadora da exposição, o trabalho do artista tenciona constantemente aquilo que entendemos enquanto representações. Aqui, em especial, esses tensionamentos circundam a ideia de autobiografia, história de si, trabalho, paisagem, exibindo continuamente índices da passagem do tempo. “Ninguém encontrará ao caminhar pela exposição uma narrativa linear e objetiva dessas histórias coletivas nem de suas histórias pessoais. Embora trabalhe com fotografia e vídeo, Arçari torce as noções de representação todo o tempo, o tempo inteiro”, pontua a pesquisadora no texto curatorial.

Além da cidade de Vitória, o município de Linhares recebe um desdobramento da exposição Terra Colidida, em cartaz de 23/11 até 23/12. Para o interior, foi dada ênfase para um conjunto de trabalhos desenvolvidos nos projetos Terra Dura e Trabalhar Cansa, que foram adequados para a arquitetura do Centro Cultural Nice Avanza, que conta com um total de 12 telas e um objeto escultórico.

Sobre o artista

André Arçari é artista multimídia, pesquisador, teórico e crítico independente. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – Escola de Belas Artes / UFRJ tem como interesse, problemáticas ligadas ao vídeo, cinema e fotografia, narrativas em abismo, dispositivo, looping, silêncio e zen budismo. Finalista do Prêmio Pipa 2021, já realizou inúmeros trabalhos no campo das artes visuais. Entre as exposições individuais destacam-se Terra Dura (Casa Porto das Artes Plásticas/Vitória, ES/ 2017); Silêncio – Resiliência (com um Prólogo de Deriva) (Sesc Palladium/Belo Horizonte, MG/ 2016); Wabi-Sabi (Galeria Virginia Tamanini/Vitória, ES/ 2014); Ausência Presença (Galeria Homero Massena/Vitória, ES/ 2013), além das coletivas Artistas Finalistas Prêmio Energias na Arte – 5a Edição (Instituto Tomie Ohtake/São Paulo, SP/ 2016); e Tentativas de Esgotar um Lugar (Museu de Arte do Espírito Santo Dionísio Del Santo/Vitória, ES/ 2015).

A exposição Terra Colidida, em Linhares e Vitória, é realizada pelo ateliê do artista André Arçari, em parceria com o grupo de pesquisa Sismógrafo, e contam com o apoio da Prefeitura de Linhares, por meio da secretaria municipal de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, da Mosaico Fotogaleria e da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo (SECULT-ES), por meio do FUNCULTURA onde o projeto obteve aprovação no Edital 034/2019, Projetos Setoriais de Artes Visuais.

VITÓRIA

MOSAICO FOTOGALERIA

RUA ARISTÓBULO BARBOSA LEÃO, 500, VICTÓRIA MALL, LOJA 18, MATA DA PRAIA, 29066-300

VERNISSAGE

08 DEZEMBRO 2021 – 17H ÀS 21H

VISITAÇÃO POR AGENDAMENTO

09 DEZEMBRO 2021 – 15 JANEIRO 2022

DAS 10 ÀS 18 HORAS

AGENDAMENTO

27 99943 0831 (WHATSAPP) / fotogaleria@mosaicoimagem.com.br