Como a tecnologia transformou a fotografia

(Crédito: divulgação)

É estranho pensar a atualidade hoje sem a presença da fotografia, parte fundamental para registrar momentos. A partir dela, há movimentação de diversos segmentos indispensáveis à sociedade moderna, sejam eles para fins de entretenimento, notícias e jornalismo ou até mesmo para registro oficial – a foto da cédula de identidade, por exemplo.

Do momento da captura de uma imagem até a versão que enxergamos digitalmente na palma da nossa mão – seja em um simples dispositivo móvel ou mesmo em uma câmera fotográfica –, entretanto, há um caminho de pelo menos 194 anos.

O registro de um primeiro momento

(Crédito: divulgação)

A primeira “máquina fotográfica”, que na verdade era chamada de daguerreótipo, começou a ser comercializada na França, em 1839. No entanto, a primeira fotografia foi tirada alguns anos antes, entre 1826 e 1827, e fazia o uso de outra técnica de captura. Na época, para ter o registro fotográfico, Joseph Nicéphore Niépce usou da heliografia, um método que exigia oito horas de luz solar. O resultado desse momento ficou conhecido como “Vista da janela em Le Gras”. Alguns anos depois, Louis-Jacques-Mandé Daguerre (o criador do daguerreótipo) facilitou o processo e reduziu o tempo de horas para alguns minutos.

É válido dizer que a criação da fotografia é bastante incerta. Há quem diga que o criador foi Louis-Jacques-Mandé Daguerre, enquanto outros pesquisadores acreditam que o inventor na verdade foi o inglês Henry Fox Talbot, que desenvolveu outro processo de captura no mesmo período.

O primeiro grande avanço na história da fotografia veio em 1884. A criação do rolo de filme, desenvolvido pelo americano George Eastman, foi responsável pela origem da empresa Kodak (1888) e disseminou o método que utilizava os rolos substituíveis. Esse processo foi responsável pela popularização da fotografia, que nesse momento já não necessitava de um fotógrafo profissional.

(Crédito: divulgação)

No início do século XX, a fotografia ganhou ainda mais o caráter popular, sobretudo pelo tamanho da câmara. Outro fator fundamental foi o alastramento da indústria cinematográfica, até que a tecnologia transformou as câmeras em utensílios relativamente acessíveis e móveis. As câmeras analógicas – aquelas que são usadas para revelar fotos – foram um divisor de águas para a época, até serem substituídas pelo processo digital.