A volta dos eventos presenciais

FHOX esteve em dois eventos distintos mas que dizem muito sobre a retomada

Na semana passada FHOX passou pelo dia de abertura da SPArte e, no dia seguinte, pelo último dia da Fespa. O que encontrou foi um clima de alívio pela retomada, um certo espanto pela resposta do público e uma certa ferrugem na retomada dos negócios e das vendas, mas nada que não pudesse ser comemorado. Além disso, tudo que envolve um bom evento também estava no pacote: Burburinho,  fila para credenciamento, setor de imprensa alvoroçado, novos protocolos, eventos menores, e, é óbvio, muita alegria e vontade de rever as pessoas, as empresas, as obras das galerias, no caso da SPArte. Veja abaixo um resumo mais detalhado dos dois eventos:

SPArte

A maior Feira de Arte da América Latina, optou por um novo local, menor do que o tradicional prédio da Bienal no Parque Ibirapuera. Para muitos visitantes, foi uma decisão acertada, pois o evento acabou ficando mais acolhedor e menos cansativo, ou seja compacto, perfeito para acomodar os cerca de 80 expositores do evento. Protocolos rígidos com exigência de vacinação para entrada, muito álcool gel acessível pelo ambiente do espaço Arca e todos de máscaras no rosto, ofereceram um clima de segurança para os visitantes. Menos festiva do que outras edições, essa apresentou um potente line up de artistas. Com muitas obras interativas, tridimensionais e menos espaço para a Fotografia em si, embora o suporte siga sempre presente no imaginário de boa parte dos artistas presentes. Segundo matéria do Jornal Folha de São Paulo, as vendas foram boas e o setor sinaliza recuperação após difíceis 18 meses de pandemia. 

Fespa Brasil

O evento que estava prestes a acontecer quando a OMS decretou a pandemia em 2020, aconteceu na semana passada no pavilhão azul do Expocenter Norte. Marcas conhecidas do universo fotográfico marcaram presença: Xerox, Canon, Epson, Konica Minolta, além de PSG e IS, entre outras. Fuji e HP foram audiências sentidas. Pelos corredores, visitantes de diferentes regiões do Brasil e sim, do segmento de foto (varejo e formaturas, principalmente) em busca de alternativas no campo da impressão digital e sublimação. Aliás, dois dos principais focos do evento: grandes soluções de output para empresas de médio e grande porte e muitas soluções de pequeno porte para empreendedores individuais que queiram se aventurar no universo de produtos sublimáticos, por exemplo. FHOX esteve presente nas últimas 3 horas do evento e o clima era de satisfação e animação com os resultados. Diferente da SPArte, na Fespa, máscaras abaixo do nariz foram algo mais comum e, embora os relatos sejam de que todos tiveram que mostrar seus cartões de vacinação para entrar, a reportagem de FHOX não foi demandada a apresentar o seu cartão. Ponto negativo para organização do evento, que fora isso, parece ter agradado aos expositores e ao público visitante. O evento embora menor do que em outras edições surpreendeu pela alta visitação e pela busca por negócios acima da expectativa.

#fotografia #mercadofotográfico