A onda da assinatura vai chegar com mais força na fotografia?

A locação de equipamentos não é novidade para fotógrafos. O curioso contudo é ver que essa era da economia da assinatura ainda não aconteceu com tanta força em outros negócios da fotografia. Em uma reunião recente para avaliar dados financeiros, Tim Cook (CEO da Apple) disse que já existem estudos dentro da empresa para que os consumidores ao invés de comprar um novo iPhone, assine o smartphone. Aliás, segundo a matéria da Business Insider, a Apple já conta com um programa de trocas com experiência semelhante. “Estamos conscientes que há muitos utilizadores que gostariam de algo tipo de pagamento recorrente”, reconheceu Cook, adiantando que a Apple está “comprometida em torná-lo mais fácil do que é hoje em dia” disse Tim Cook segundo a matéria da BI. Segundo ele, a perspectiva é que no futuro veremos mais da estratégia da marca apontada nessa direção.

E se isso também ocorresse no mercado fotográfico. Na prática isso representa várias vantagens para os dois lados (empresa e o assinante).

Assinar para ter acesso é tendência tanto aqui quanto lá fora. As novas gerações estão mais interessadas em acessar e não possuir. Entre as vantagens o assinante de um equipamento não precisa se preocupar com a depreciação e pode ter a certeza de a cada ano pegar o lançamento mais recente. Trata-se de um conceito que poderia ser aplicado a fabricantes de câmeras, serviços de impressão de laboratórios profissionais. E mesmo aos fotógrafos com seus clientes. (o acompanhamento de bebês é recorrência pura. Será que o profissional não poderia criar outras formas de gerar mais serviços com recorrência para outros segmentos de família e afins?).

Assinatura de carros! Já uma realidade


Marcas atuando mais como geradores de serviços. Imagine um laboratório profissional ou encadernadora com um sistema de clube de benefícios. O assinante fotógrafo paga mensalmente e recebe inúmeras vantagens. Descontos em produtos e impressões de álbuns e outros produtos pré-determinados dependendo da faixa de assinatura. Caso não gaste nos meses pode acumular para um serviço maior em valor em determinada época do ano. As possibilidades são infinitas.

Relonch. Uma das primeiras empresas a lançar um serviço de assinatura de câmera. Depois virou um serviço que ganhava por foto enviada (tratada) via câmera conectada


No caso de uma fabricante de câmeras ou impressoras. O assinante de uma marca assina um modelo de mirrorless ou DSLR. Paga mensalmente e pode adicionar outras vantagens. Como seguro, limpeza e afins. Eventos e conteúdos especiais também seriam exclusivos do assinante. Se quiser, o assinante da câmera pode até comprar aquele modelo. Ou no ano seguinte pega o lançamento. Imagine assinar kits que já envolvem por exemplo duas câmeras e duas lentes por mês. Não é difícil imaginar que essa ótica valeria também para uma marca de impressoras de eventos ou algo na mesma categoria.