“A adrenalina é o combustível para o meu processo criativo”

Confira abaixo entrevista com a fotógrafa Fernanda Fernandes concedida com exclusividade à FHOX

Depois de atuar no mercado financeiro durante 17 anos, Fernanda Fernandes passou a se dedicar à fotografia. Já fez exposições em capitais como São Paulo e Brasília, bem como em outras importantes cidades do exterior, como Nova York, Berlim e Dubai. A fotógrafa vem conquistando espaço dentro e fora do Brasil. Entre os trabalhos que marcam seu portfólio, estão ensaios voltados à questão indígena, às sensações humanas, ao cotidiano das pessoas, à natureza e aos grandes centros urbanos. No primeiro ano da pandemia, Fernanda passou a experimentar novas formas de fazer fotografia e realizou algumas exposições virtuais. Hoje, acompanhando uma certa volta à “normalidade”, foi convidada da pela Ornare NYC para participar de um projeto exclusivo criado pela marca, especializada em móveis de luxo sob medida. Para 2022, estão previstos diversos projetos no Brasil e fora do país, em especial nos Estados Unidos, mais especificamente em Nova York, sua segunda casa.  Confira abaixo entrevista com a fotógrafa Fernanda Fernandes concedida com exclusividade à FHOX FHOX – Você é atuante nas redes sociais? Fernanda Fernandes – Sim, sou bastante ativa nas plataformas digitais. É uma das formas de levar minha arte às pessoas. FHOX – Quais são os combustíveis para o seu processo criativo? Fernanda Fernandes – Adrenalina, desafios, obstáculos, novidades… Preciso de elementos desses calibres para que minhas lentes registrem e imprimam o meu olhar. FHOX – Dentre seus ensaios e projetos, o que você destacaria? Fernanda Fernandes – Quando fui pela primeira vez para a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, fazer uma vivência na Aldeia Multiétnica, costumo dizer que não fotografei, mas que fui fotografada, levando em conta a rica experiência que vivenciei. Fico mais feliz perto dos indígenas. Sempre que posso, corro pra lá. Tem também o ensaio Breu, todo pautado na adrenalina. Este trabalho nasceu num voo de helicóptero no momento em que estávamos passando pela Oca, no Parque Ibirapuera. Eu participo de maratonas e já treinei muitas vezes no Ibiraquera, mas até então nunca havia avistado a Oca de cima.  Foi nesse instante que decidi fotografar de um helicóptero meus lugares favoritos em São Paulo, como o Mercado Municipal e a Avenida Paulista. Também fotografei a pista do aeroporto de Guarulhos, estritamente controlada, o que instigou e me deixou com mais adrenalina para seguir com o projeto. FHOX – Com a pandemia de covid-19, você tem experimentado novas formas de fazer fotografia? Fernanda Fernandes – Sim! No início da pandemia, quando estávamos todos isolados, comecei a fotografar no jardim de casa. Como há um muro que me separa do mundo externo, exercitei fotografar de baixo pra cima. E o mais curioso é que esse formato tem uma conexão com alguns princípios que eu valorizo muito, como a humildade, a solidariedade e a empatia. Estou produzindo um diário com cliques feitos desde o início da pandemia. São imagens que imprimem sensações, cores, lembranças de alguém, de um momento ou de algum lugar. Será lançado em breve. FHOX – Você trabalhou 17 anos no mercado financeiro. Como foi a transição para a fotografia? Fernanda Fernandes – Quando pratico corridas costumo ter insights. Funciona como uma meditação.No ano de2003, durante a Maratona de Paris, cheguei à conclusão de que eu não estava participando ativamente da fase de crescimento da minha filha, na época com 3 anos. O 11 de Setembro também teve impacto na minha decisão de deixar o mercado financeiro. FHOX A Maratona de Paris foi, então, um divisor de águas em sua trajetória profissional? Fernanda Fernandes – Sim! Nessa maratona avaliei que eu estava imersa no mundo dos negócios e me questionei: para chegar aonde? Eu amava a adrenalina do mercado financeiro, mas estava me sentindo incompleta. A fotografia não tirou a adrenalina que eu sentia quando atuava no mundo das finanças, pelo contrário. Eu busco me aventurar em tudo o que eu faço. É da minha natureza. O perigo e o desafio me fascinam. Correr riscos está na minha essência. FHOX – Quais são os seus planos para 2022? Fernanda Fernandes – Tenho vários projetos em andamento. Ainda no primeiro semestre, dependendo de como estará a situação da pandemia, deverei realizar uma exposição individual em São Paulo. Também anunciarei detalhes de um projeto exclusivo com a Ornare NYC, que celebra a minha entrada em projetos envolvendo marcas. No exterior, além de Nova York, quero fechar oportunidades de trabalho em cidades como Miami e São Francisco. Pretendo estender parcerias com arquitetos, decoradores, diretores de arte e designers. Aguardem! Venda de fotos pelo Instagram da artista: @fernandafernandesphoto Site: https://fernandafernandes.com

A fotógrafa Fernanda Fernandes