A lição em um equívoco da FHOX

Um pequeno "case" sobre o poder da grife e a "terra de ninguém" da internet e das rede sociais

por Revista FHOX Publicado há 9 meses atrás | por Leo Saldanha
Foto: stumayhew
A foto que a FHOX deu como de Henri Cartier-Bresson. Claramente inspirada no fundador da Magnum, mas não de sua autoria Foto: stumayhew

Nas últimas semanas publicamos duas fotos com créditos errados nas nossas redes sociais. Uma fotografia que supostamente seria de Cartier-Bresson e outra dissemos que ser de Irving Penn. Incrível é que os dois erros foram apontados só por uma pessoa, o fotógrafo italiano Fabrizio Oppes (clique no nome para ir ao site dele e ver seus belos trabalhos). Oppes morou no Brasil por 12 anos e é casado com Simone, uma fotógrafa brasileira. Nós moramos em Uberlândia MG e juntos trabalhamos muito anos com agências de modelos e fotografia de moda. Eu nos últimos anos no Brasil trabalhei também com revistas de decoração de interiores. Faz quase dois anos que moramos na Inglaterra em Brighton a 100km de Londres, no litoral disse em uma mensagem recente que trocamos no Facebook.  Competente e estudioso,  Oppes tem justamente Cartier-Bresson e Penn como duas de suas principais referências fotográficas.

Dessa errata é possível tirarmos alguns ensinamentos. Mas antes leia o ótimo texto de Oppes que depois eu retomo.

Navegando pelo Facebook vi um post da Revista Fhox mostrando uma foto em preto e branco de uma criança pulando uma poça d’agua. Lendo a matéria alguma coisa me deixou intrigado – o crédito da foto: “o reflexo” de Henri Cartier-Bresson. Ele é provavelmente o fotógrafo mais famoso do mundo, aquele que pra fazer uma foto colocava na mesma linha, mente, olho e coração. Claro que é impossível conhecer todas as fotos de todos os autores, geralmente as fotos mais famosas são publicadas em livros e já tinha visto vários livros dele, além de uma exposição em Florença na Itália a mais de 20 anos, mas aquela foto realmente nunca tinha visto.

Existe outra imagem dele, bem famosa, sempre com um reflexo mas não era ela, a que a revista postou era simples demais, quase uma imitação.

A minha cultura fotográfica se formou vendo clássicos como Irving Penn, Henri Cartier-Bresson, Richard Avedon e morando na Itália, tive o privilégio de visitar algumas exposições desses grandes fotógrafos.

Por conhecer o estilo de cada um decidi pesquisar a respeito da foto postada e me certificar se realmente era de autoria de Henri Cartier-Bresson.

Abri o Google Images, carreguei a foto e descobri que que ela estava presente em vários sites, blogs, no Pinterest etc., sempre atribuída ao grande fotógrafo francês.

Na hora fiquei na dúvida, talvez estava enganado, até que descobri que ela estava a venda na Getty Images!

Essa era a prova que a foto não era do Henri Cartier-Bresson, pois a obra de um autor tão importante jamais seria vendida em uma agência de stock photo.

Um fato parecido aconteceu uma semana depois, sempre uma foto em preto e branco mas desta vez atribuída ao grande fotografo americano Irving Penn.

A foto em questão era um retrato em fundo branco de uma modelo cheia de pintas. Novamente fiquei na dúvida sobre a autoria e comecei a pesquisar no Google e como no caso anterior a foto estava em vários sites e blogs até mesmo americanos, sempre atribuída a Irving Penn.

Continuei minha pesquisa e descobri um editorial fotografado em cores com a mesma modelo e produção. O autor claramente não era o famoso fotógrafo americano mas um fotógrafo da Turquia.

Escrevi um comentário avisando a revista que novamente haviam publicado uma foto com o credito errado.

A revista Fhox respondeu ao meu comentário afirmando que não houve erro e para provar isso enviou-me o link de um blog de uma fotógrafa onde ela falava que a imagem (supostamente de Irving Penn) tinha sido sido publicada na Vogue Paris, o que só confirmou o que eu já sabia; não podemos confiar em sites não oficiais ou em resultados por imagens que o Google nos oferece. Google não conhece o estilo do Irving Penn ou do Henri Cartier Bresson, ele mostra a quais imagens o nome é associado. Se uma foto minha é publicada com o crédito de Richard Avedon, quem não conhece o autor vai começar a compartilhar a foto e a informação errada começa a se espalhar.

Minha conclusão é que mesmo tendo uma formação fotográfica dos grandes nomes da fotografia é importante ter cuidado ao postar ou compartilhar qualquer imagem. É sempre aconselhável fazer uma pesquisa mais apurada do autor e da obra. Com isso estaremos preservando o grande legado que eles nos deixaram.

O esclarecedor texto de Oppes serve para ilustrar um ponto fundamental nesses tempos em que vivemos. A lição mais assustadora, eu e você conhecemos bem. Pessoas de má índole continuarão se apropriando do trabalho dos outros. E nessa era digital ficou muito fácil induzir ao erro (mesmo que de forma involuntária). Vivemos tempos voláteis de ilusão em tempo real. E ao contrário do que possa parecer, pesquisando as duas imagens você encontrará diversas fontes indicando que as imagens são de HCB e do Penn. Ou seja, uma mentira alastrada pela internet e com direito a posts em blogs com autorias indevidas. Oppes tem toda a razão quando diz que só o aprofundamento, estudo e a pesquisa mais cuidadosa mostrarão as referências corretas. Um caminho que a FHOX vai sempre manter como norte. Agora com ainda mais atenção na hora de postar algo nas redes sociais.

Contudo, lembrei também de outro caso com uma famosa foto de Henri Cartier-Bresson que foi postada no Flickr já tem alguns anos. Um fotógrafo desconhico decidiu postar a foto do mestre como se fosse dele. Uma experiência para testar a reação no grupo de fotografia e ver como a foto considerada “lendária” seria avaliada sem uma assinatura celebrada. Resultado: sem a grife Bresson a famosa foto foi detonada. De certa forma, o relato no alerta de Oppes para a FHOX reprisa esse experimento e levanta um questionamento importante. Será que as fotos compartilhadas pela FHOX de forma errada teriam a mesma quantidade de likes e shares  sem a assinatura dos grandes mestres da fotografia? Coincidência ou não, depois que trocamos o crédito as curtidas pararam…

 

Notícias relacionadas